Ir para o conteúdo

Prefeitura de Wenceslau Braz - MG
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
FEV
23
23 FEV 2022
AGROPECUÁRIA
SETOR DE INSPEÇÃO ANIMAL DETECTA CASOS DE RAIVA EM BOVINOS EM WB
enviar para um amigo
receba notícias
Casos identificados pelo superintendente de inspeção animal, Felipe Toledo foram notificados junto ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).
A superintendência de inspeção animal de Wenceslau Braz, setor pelo qual responde o médico veterinário Felipe Toledo, após visitas em algumas propriedades rurais nos bairros da Roseta e Salão, detectou casos de morte de animais decorrenteS do contágio por raiva, doença infecciosa causada por um vírus da família Rabdovírus, que tem sido detectada em cidades da região. Os casos foram notificados junto ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e também aos setores de vigilância sanitária e posto de Saúde do município, cuja indicação é a de que as pessoas que tiveram contato com os animais infectados sejam imunizadas com vacina e soro anti-rábico.

Segundo Toledo, este vírus se caracteriza por sintomatologia nervosa, que afeta predominantemente os mamíferos, sendo o quadro paralítico em herbívoros e o quadro furioso em cães e gatos. “Todos os animais de sangue quente são suscetíveis ao vírus da raiva. A fonte de infecção é sempre um animal infectado, sendo o método de disseminação sempre pela mordida de um animal infectado, embora a contaminação de feridas cutâneas pela saliva recente possa resultar na infecção”, explica.

A infecção viral onde quase 100% dos casos são fatais, possui grande importância mundial por ser uma zoonose de grande relevância na saúde pública. A raiva, causada pelo vírus Rabdovírus, em bovinos, é o maior problema econômico e de saúde pública na América do Sul. O principal transmissor da raiva bovina é o morcego hematófago da espécie Desmodus rotundus.  

A raiva não tem cura, por isso é preciso investir em medidas preventivas como controlar a população de morcegos transmissores, e realizar a vacinação de todo o rebanho (bovinos, equinos, ovinos e caprinos), e animais de companhia (cães e gatos). O esquema recomendado é de duas doses iniciais, com intervalo de 30 dias e revacinação anual de todos os animais, independentemente da idade.

Sobre vacinação de grandes animais (bovinos, equinos, ovinos e caprinos) a vacina pode ser adquirida em lojas agropecuárias e cooperativas; para os pequenos animais (cães e gatos), indicadas para aquisição em clínicas veterinárias, bem como em campanhas de vacinação fornecidas pelo Estado (geralmente meados de agosto). A Secretaria de Indústria, Comércio, Agricultura e Pecuária (SICAP)  está à disposição para esclarecimentos de dúvidas e procedimentos, pelo fone 99907-8774.

Entre os sintomas principais da doença estão: perda de apetite, inquietação e mudança de hábitos; andar cambaleante; salivação intensa; fezes secas e escuras; agressividade ocasional; paralisia (membros pélvicos). O médico veterinário Felipe Toledo salienta a importância da notificação junto ao IMA, e destaca que o procedimento não implica em penalidades, interdição ou multa.

Em casos de suspeita de raiva, os procedimentos indicados são: que os produtores e pessoas envolvidas com animais suspeitos de raiva evitem contato com a saliva dos animais infectados, pois a doença, como já citado, trata-se de uma zoonose, ou seja, é transmissível ao homem. Em caso de contato com esses animais, procure um posto de saúde, o mais rápido possível.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte:
Autor: José Mauro Moreira
Local:
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia